samba


Andrelina

Oh Andrelina

Os teus olhos são azuis

Parece o azul do céu

Quando eu te vi de longe

Senti um cheiro de mel

 

Oh Andrelina

Mandei fazer um vestido pra mulher

Sapato pro pé, duas carreira de botão, colchete, pressão

E eu pergunto a Dona Augusta

Se eu levo, se levo dois cravo branco na mão

 

Oh Andrelina

Tu pensa que eu não te amo

Tais pensando muito errado

Quando eu te avistei

Eu fiquei apaixonado

  

Oh Andrelina

Eu te quero e tu me quer

Isso é prova de amor

Vou me casar com você

Vamos morar em Moscou

 

quem samba fica

Quem samba fica

quem não samba vai embora x2

 

 

se é homem é meu senhor

se é mulher minha senhora x2

 

vou prá bahia vou ver

barco correr no mar

 

eh eh no mar

eh eh no mar

Ogum iara

Se meu pai é Ogum,

Vencedor de demanda,

Ele vem de Aruanda é pra salvar filhos de Umbanda. x2

 

Ogum, Ogun, Ogum Iara

Ogum, Ogum, Ogum Iara

 

Salve os campos de batalha,

Salve as sereias do mar,

 

Ogum, Ogum Iara

Ogum, Ogum Iara

 



xo pavao

Xô Pavao sai de cima do telhado

Xô pavao sereno da madrugada

Xô pavao se o sereno fosse chuva

Xô pavao a terra tava molhada

le le a le le o

Le le a le le o 

A turma de bimba chegou

700 Galinhas

Eu levei uma carreira

Essa foi pequininniha

Com um facao de sete arrobas

No roçado na bainha

Com uma cesta de ovos

E setecentas galinhas

E o trem corre

E pra cima da linha

E o trem corre

 



trem da onze

Não posso ficar nem mais um minuto com você

Sinto muito amor, mas não pode ser

Moro em Jaçanã

Se eu perder esse trem

Que sai agora às onze horas

Só amanhã de manhã

 

Não posso ficar nem mais um minuto com você

Sinto muito amor, mas não pode ser

Moro em Jaçanã

Se eu perder esse trem

Que sai agora às onze horas

Só amanhã de manhã

 

Além disso, mulher

Tem outra coisa

Minha mãe não dorme

Enquanto eu não chegar

Sou filho único

Tenho minha casa pra olhar

Não posso ficar

 

Não posso ficar nem mais um minuto com você

Sinto muito amor, mas não pode ser

Moro em Jaçanã

Se eu perder esse trem

Que sai agora às onze horas

Só amanhã de manhã

 

Além disso, mulher

Tem outra coisa

Minha mãe não dorme

Enquanto eu não chegar

Sou filho único

Tenho minha casa pra olhar

Não posso ficar

No meio do pitiu

A garça namoradeira

Namora o malandro urubu

Eles passam a tarde inteira

Causando o maior rebu

 

Na doca do Ver-o-Peso

No meio do Pitiú

No meio do Pitiú,

no meio do Pitiú

No meio do Pitiú,

no meio do Pitiú

 

Eu fui cantar carimbó

Lá no Ver-o-Peso

Urubu sobrevoando

Eu logo pude prever

Parece que vai chover

Parece que vai chover

Depois que a chuva passar

Vou cantar carimbó pra você

 

No meio do Pitiú,

no meio do Pitiú

 

 

Urubu malandro

Foi passear lá no Marajó

Comeu de tudo

Mas vivia numa tristeza só

Urubu lhe perguntou

O que se passa, compadre?

Tô com saudade da minha branca

Do Ver-o-Peso, da sacanagem

Lá eu sou pop star

No meio da malandragem

Fico bem na foto

Na entrevista e na reportagem

Abelha Aripua

Subi no olho da arueira

Para tirar uma abelha

Que se chama aripuá

 

Ela não ferroa

Só enrola no cabelo

Com aquele zuadeiro

Fazendo "chuá"! " chuá"!

 

Você diz que é valente

E que sabe trabalhar

Eu quero ver você tirar

Essa abelha aripuá

 

Ela disse assim

Mas você não se aveche

Que essa abelha só presta

Pra fazer o saburá



A flor da laranjeira

A flor da laranjeira

Alo Bahia

Cheira mais que aroeira

Alo Bahia

A baiana já conhece

Alo Bahia

O cheiro da laranjeira

Alo Bahia

 

Vou mandar tirar

Vou mandar tirar

Flor de laranja

Pro meu benzinho cheirar

vou apertar

Vou apertar

Mas não vou acender agora

Vou apertar

Mas não vou acender agora

Se segura malandro

Pra fazer a cabeça tem hora

Se segura malandro

Pra fazer a cabeça tem hora

 

É, você não está vendo

Que a boca tá assim de corujão

Tem dedo de seta adoidado

Todos eles afim

De entregar os irmãos

Malandragem dá um tempo

Deixa essa pá de sujeira ir embora

É por isso que eu vou apertar

Mas não vou acender agora

 

É que o 281 foi afastado

O 16 e o 12 no lugar ficou

E uma muvuca de espertos demais

Deu mole e o bicho pegou

Quando os home da lei grampeia

Coro come a toda hora

É por isso que eu vou apertar

Mas não vou acender agora

O sereia

Pela docura do teu cantar

eu me vejo obrigado a parar

pela docura do teu cantar

eu me vejo obrigado a parar

o sereia, o sereia

o sereia, o sereia

Na noite e de lua cheia

ta sentado junto a mar

quando de longe eu ouviu

o canto de uma sereia

o sereia, o sereia

o sereia, o sereia

Eu sou filho de Ogun

sou filho da Iemanja

tanto faz eu ta na terra

ta na aqua, ta no mar



Revolta

Retirante ruralista, lavrador

Nordestino, Lampião, salvador

Pátria sertaneja independente

Antônio Conselheiro

 

Em Canudos presidente

Zumbi em Alagoas comandou

Exército de ideais libertador

Sou mandinga, Balaiada, sou male

Sou búzios, sou revoltas

Arerê

Êh!

 

Ô Corisco, Maria Bonita mandou lhe chamar

Ô Corisco, Maria Bonita mandou lhe chamar

É o vingador de Lampião

É o vingador de quem? De Lampião!

 

Eta, cabra da peste

Pelourinho, Olodum, somos do Nordeste

Eta, cabra da peste x3

 

 

Etá, etá

Etá ta rá ta tá

Etá, éta

Etá ta rá ta tá

Etá, etá

Etá ta rá ta tá

Etá

Etá ta rá ta ta.

acorda maria

Pé de fulô

Lá no alto da serra

O orvalho beija ela

E o vento acaricia

Com um sorriso azul

O dia se aproxima

E o bem-te-vi

Canta alegria

 

Ôoh, ôh, ôh

Acorda Maria

Pra sambar o coco

Que já raiou o dia x2

 

 

Óh linda rosa

Tão cheirosa

Tão carinhosa

Com meu coração

Ponhas a saia

A mais bonita

A mais colorida

E vem sambar mais eu

 




Mandelinha

Hoje é Mandelinha de quebrinha

Vou pegar umas novas

E tomar uma garrafinha

Hoje eu tô querendo

Muita ousadia

Eu vou pro bailão

Atrás das danadinha

Pra levar pra treta

E dar uma sarradinha

Pra levar pra treta

E dar uma sarradinha

Catatau

"Catatau chegou legal no Vidigal

Ia haver uma blitz naquele local Refrão

 

O malandro pinoteou

Pouco antes da hora que a justa chegou

Por onde está, Por onde andou, Ninguém dedou

De repente no beco da grande favela

Um vulto surgiu na viela

O soldado deu voz de prisão com decisão

 

Do outro lado Negro desempregado

Bastante desesperado

Se rende correndo e cai

Mas caiu com a mão na cabeça

Para que ninguém esqueça

O quanto pediu clemência

E não foi ouvido

Por causa da violência

Que fez chorar o soldado

Que muito mal orientado não pode evitar o mal

E nem a sorte daquele inocente lá do Vidigal..."



A Fumaça Ja suibiu pra cuca

 

Não tem flagrante porque

a fumaça já subiu pra cuca 

 

Deixando os tiras na maior sinuca

E a malandragem sem nada entender

Os federais queriam o bagulho

e sentou a mamona na rapaziada

Só porque o safado de antena ligada

ligou 190 para aparecer

 

Já era amizade

Quem apertou, queimou já está feito

Se não tiver a prova do flagrante

nos autoido inquérito fica sem efeito diga lá

 

Olha aí, quem pergunta quer sempre a resposta

E quem tem boca responde o que quer

Não é só pau e folha que solta fumaça

Nariz de malandro não é chaminé

Tem nego que dança até de careta

Porque fica marcando bobeira

 

Quando a malandragem é perfeita

ela queima o bagulho e sacode poeira

Se quiser me levar eu vou,

 

nesse flagrante forjado eu vou

Mas na frente do homem da capa preta

é que a gente vai saber quem foi que errou

 

 

Não tem flagrante porque a

fumaça já subiu pra cuca diz aí

 

Deixando os tiras na maior sinuca

E a malandragem sem nada entender

Os federais queriam o bagulho

e sentou a madeira na rapaziada

Só porque o canalha de antena ligada

ligou 190 para aparecer

 

Já era amizade

Quem apertou, queimou já está feito

Se não tiver a prova do flagrante

nos autoido inquérito fica sem efeito diga lá

 

Olha aí, quem pergunta quer sempre a resposta

E quem tem boca responde o que quer

Não é só pau e folha que solta fumaça

Nariz de malandro não é chaminé

Tem nego que dança até de careta

Porque fica marcando bobeira

Quando a malandragem é perfeita ela queima o bagulho e sacode a poeira

Se quiser me levar eu vou,

nesse flagrante forjado eu vou

 Mas na frente do homem da capa preta é que a gente vai saber quem foi que errou

 

Se quiser me levar eu vou,

nesse flagrante forjado eu vou

Mas na frente do homem que bate o martelo

é que a gente vai saber quem foi que errou.

 

Não tem flagrante

Não tem flagrante porque a fumaça

já subiu pra cuca diga lá

 

Não tem flagrante porque a fumaça

já subiu pra cuca

 

 

Olha aí não tem flagrante porque a fumaça já subiu pra ideia diga lá

Não tem flagrante porque a fumaça já subiu pra cuca

Sim mas não tem flagrante porque a fumaça já está na muleira

Se leonardo da vinte

Se Leonardo dá vinte

Por que é que eu não posso

Dá dois?

 

Mesmo apertando na encolha Malandro!

Pinta a sujeira depois

 

Levei um bote perfeito

Com um baseado

Aceso na mão

Tomei um sacode

Regado a tapa

Pontapé e pescoção

 

Eu fui levado

Direto à presença

Do dr. Delegado

Ele foi logo gritando

Vai se abrindo malandro,

e me conta tudo como foi

 

Eu respondi Se Leonardo dá vinte dr

Por que é que eu não posso Dá dois?

 

A parada é essa, ai o doutor mandou assim pro malandro, se liga

 

Leonardo é Leonardo

Me disse o doutor

Ele faz o que bem quer

E está tudo bem

Infelizmente é que

Na lei dos homens

A gente vale o que é

E somente o que tem

Ele tem imunidade pra dá

Quantos quiser

Porque é rico, poderoso

E não perde a pose

E você que é pobre, favelado

Só deu dois

Vai ficar grampeado

No doze

 

Mesmo apertando na encolha Malandro!

Pinta a sujeira depois

 

Levei um bote perfeito

Com um baseado

Aceso na mão

Tomei um sacode

Regado a tapa

Pontapé e pescoção

 

Eu fui levado

Direto à presença

Do dr. Delegado

Ele foi logo gritando

Vai se abrindo malandro

e me conta tudo como foi

Eu respondi

 

Se Leonardo dá vinte dr

Por que é que eu não posso

Dá dois?

 

 

 



samba de roda

Na praia de Amaralina tem dois camarão na areia

Camarão tava sentado falando da vida aleia

(coro)

Na praia da Amaralina tem dois camarão sentado

Falando da vida alheia, hê camarão malvado.

(coro)

Na praia de Amaralina tem dois camarão na areia

Camarão tava sentado falando da vida alheia

(coro)

Na praia de Amaralina tem dois camarão sentado

Falando da vida alheia, hê camarão malvado

Vovó não quer casca de coco no terreiro,

Maria

Me faz lembrar do tempo de cativeiro

(repete todo)

Seu maia

oi maia, maia, maia, maiadô, oi seu Maia

oi maia, que seu Maia quer maiá, oi seu Maia

maia, maia, maia, maiadô, oi seu Maia

maia, que seu Maia quer maiá, oi seu Maia

 

a noite antes do galo cantar, oi seu Maia

a gente ligeiro se levantá, oi seu Maia

em busca de planta e de colhê,oi seu Maia

na fé que um dia há de chovê, oi seu Maia

 

o grupo dos sem terra vai a luta, oi seu Maia

querendo um terreninho pra acampá, oi seu Maia

vai homem, vai mulher e vai menino, oi seu Maia

sabendo que é difícil de encontrar, oi seu Maia

 

um chefe fazendeiro e companheiro, oi seu Maia

que ceda um cantinho pra nós morá, oiseu Maia

depende da produção desse ano, oi seu Maia

a gente pode até negociá, oi seu Maia